Sunday, June 10, 2018

Day in and day out, we go through life so oblivious to what’s around us. We fight our battles, we get frustrated with our flaws, we fear the uncomfortable and sometimes we struggle just to get out of bed and put on foot in front of the other.  But we do it, some days may feel unbearable, but we learn to appreciate the small victories and the reality is that we keep moving forward. It’s not always pretty, but day after day, despite everything that is thrown at us, we find a way to survive.
That doesn’t come naturally though, and sometimes in the effort it takes to stay afloat we lose sense of the ones around us. We spend so much time hiding behind our masks, trying to find a balance for our own (in)sanity, that we often don’t realize everyone else is dealing with a similar struggle. We don’t always have enough time to spend with those we care about, but even when we do, how much of us are we really giving? 
It’s not necessarily selfishness, it’s being temporarily selfcentered, which in the right amounts is needed… but what happens then?
What happens to those around us when we take that needed time off?

Thursday, May 17, 2018

Magical powers / Poderes mágicos


Nota: Versão portuguesa mais abaixo


Ever since I was a little girl I dreamed about having magical powers. I didn’t long for fairy dust and enchanted beings what I yearned for was everyday magic. The kind of magic that comes from within and makes you believe you’re strong and brave enough to make a difference in someone’s life.

I used to lay in bed, pretending to be asleep, just imagining how life would be if I had that touch of magic –  to hug the pain away and always know what to say or what to do. I didn’t need fireworks or magic wands, all I wished for was a magical smile that would make people feel warm and safe, protected and never lonely.

The magical power I mostly wished for was to believe in myself enough to face my fears and help people remain calm in the face of despair, to share my strength and bring them peace with a simple hold of a hand.

The magic I wanted in me was the ability to bring people together and be available to help them on the spur of the moment, anytime, anywhere;  to  dig beyond the surface, to find hope and bring out the goodness other’s couldn’t.

I didn’t want the flashes or the attention, nor wasn’t it meant for big gestures, the kind of magic I wanted was the one nobody would notice, the kind that inspires people and makes them believe anything is possible, the kind that has the power to make people smile.


::::::::::::::::::::::


Poderes Mágicos


Desde pequenina sempre sonhei em ter poderes mágicos. Não sonhava com pós de perlimpimpim ou seres encantados, o que ambicionava era pela magia do dia-a-dia. Aquela magia que vem de dentro, que te faz acreditar que és forte e corajoso o suficiente para fazeres a diferença na vida de alguém.

Passava horas na cama, a fingir que estava a dormir, a imaginar como seria a vida se eu tivesse esse toque de magia – de afastar a dor com um abraço, de saber sempre o que dizer e o que fazer. Não precisava de fogos de artifício ou varinhas mágicas, tudo o que queria era ter um sorriso mágico que fizesse com que as pessoas se sentissem aconchegadas e seguras, protegidas e nunca sós.

O poder mágico que mais desejava era o de acreditar em mim mesma o suficiente para ultrapassar os meus medos e assim poder ajudar as pessoas a manterem-se calmas em situações de desespero, de partilhar a minha força e a esperança apenas segurando as suas mãos.

A magia que queria em mim era a capacidade de juntar as pessoas; de estar sempre disponível, a qualquer momento, em qualquer lugar; de ver além da superfície, de encontrar esperança e resgatar o lado bom que os outros não conseguiam ver.

Não queria os flashes nem a atenção, não estava destinada aos grandes gestos, o tipo de magia que queria era aquele que ninguém nota, aquele que inspira os outros e fá-los acreditar que tudo é possível, aquele que tem o poder de fazer as pessoas sorrir.


Saturday, April 21, 2018

The sound of silence / O som do silêncio


Nota: Versão portuguesa mais abaixo.

The untrained eye reads your quietness as tranquillity,
Only because they can’t hear your silent shouts.
In a world in constant commotion, your speech is voided of any emotion.
Words betray you, as they can never truly carry your message,
Their meaning always shorter than your true intentions.
Too long you’ve been living in a vow of silence,
Forced by the inability to express your feelings.
You have more to say than words can reach,
Your core being way deeper than the sounds you whisper.
Words may burn you from the inside, the agony of carrying an untold story,
But the gift of words you were not given, so you can never express what truly matters.

There’s so much you cannot utter, for the fear of saying something wrong,
That you end up not saying anything at all.
You’ve learned to take comfort in the sound of silence,
As it hides the weaknesses you cannot share.
But saying nothing is a high risk to take,
Giving you no control over the message sent.
It may feel like you have to earn the right to be heard,
Reality is you can’t earn it until you find your voice.
They say silent speaks a 1000 words, but they can’t understand what you never voiced.
And if silence it’s all they are given, how can they ever learn your truth? 

::::::::::::::::::::::::::::::::: 

O Som do Silêncio


O olhar amador lê a tua calmaria como tranquilidade
Apenas porque não consegue ouvir os teus gritos mudos. 
Num mundo em constante tumulto, o teu discurso é vazio de qualquer emoção. 
As palavras traem-te, pois nunca conseguem transmitir a tua mensagem, 
O seu significado sempre mais curto do que as tuas intenções. 
Vives há demasiado tempo num voto de silêncio, 
Forçado por uma incapacidade de expressar sentimentos. 
Tens mais para dizer do que aquilo que as palavras alcançam, 
O teu ser bem mais profundo, do que os sons que suspiras. 
As palavras queimam-te por dentro, a agonia de carregar uma história por contar, 
Mas o dom das palavras não te foi dado, e por isso nunca consegues dizer o que realmente importa. 

Há tantas coisas que não consegues proferir, pelo medo de dizer algo errado, 
Que acabas por simplesmente não dizer nada. 
Aprendeste a a viver em conforto com o som do silêncio, 
Já que esconde as fraquezas que não podes partilhar. 
Mas não dizer nada é um risco grande, 
Pois perdes o controlo da mensagem enviada. 
Sentes que tens de merecer ser ouvido, 
Mas para merecê-lo tudo o que tens de fazer é encontrar a tua voz. 
Dizem que o silêncio fala mal do que 1000 palavras, mas os outros não podem perceber aquilo
que não dizemos. 
E se o silêncio é tudo o que recebem, como poderão alguma vez perceber a tua verdade? 

Tuesday, April 10, 2018

Black & White / Preto no Branco


Nota: Versão portuguesa mais abaixo.

A long time ago there was a little girl. She had big dreams and high hopes for life. She believed in Santa Claus and fairy tales, she even believed in people.

She was sweet and naïve, she loved to play pretend and no matter how much she was teased she enjoyed the innocence of being a child.

She never used bad words and she would never set a foot out of line, no so much because someone was watching her, but because she believed in following the rules. She was shy, but she believed in justice and playing fair, so if the situation would demand it, she would rise to the occasion. She had strong values and a thing for lost causes… after all, she believed people were inherently good.

She was curious and observant. She collected her data and then draw her conclusions. For her, the world was black and white.

She knew what she wanted to be from a young age, a certainty she would never experience again. She always cared for others, but she was joyful and untroubled. To the untrained eye she would fit wherever she’d go. She was class president and team captain year after year, and yet she would also be friends with all the (pre-labelled) troublemakers.

She had her whole life laid out, she wanted to work with children and help people, she wanted to reach those that didn’t fit in the box (a box she apparently fitted so well).  She wanted to create a school that would teach through arts and sports, where kids could be part of teams and be seen as more than their grades.

Everyone has always told her that if you work hard you succeed, so she really believed she could make it happen.  All she had to do was to be a good girl, follow the rules and work hard (and she was good at that!), and all the rest would work out on its own.

It sounded easy!

Then one not so special day everything started shifting. She started noticing little things, the things people would say, how they’d act, and slowly she realised that the people she had grew up around, that she was supposed to love and admire weren’t necessarily all so great. It was odd at first, she used to be a kid who liked everyone. She was still seeing the world as black and white, so if those people weren’t so amazing as she thought…. What did that make them?

What really turned the tables, however, happened a few months later. There were some news on T.V about a war. She remembered she had tried for a while to get it, what was happening, what it was about…? She couldn’t quite figure it out, so eventually she decided to ask. She just wanted to know who the bad guys were so she would know who to root for. It seemed to her like a simple question, except the answer she got was “It’s not that simple… This is not a fairy tale, there aren’t bad guys and good guys, it’s always more complicated than that”. And man that’s when everything stopped making sense!

Well, she got it, afterwards, she got it, but that changed everything, because suddenly there were so many grey areas. In one hand it was good, it meant that the people she didn’t admire 100% anymore weren’t necessarily bad, they just had different sides to them, and that was okay, but what did it mean about everything else?

If there were grey areas, was it still true that working hard meant reaching one’s dreams? Would making good for people really be that impactful and change their lives? If there were grey areas where did she stand??

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Preto no Branco

Há muito tempo atrás havia uma menina com grandes sonhos. Ela acreditava no Pai Natal e em contos de fadas, e até acreditava nas pessoas.

Era doce e ingénua, adorava brincar ao faz-de-conta e não se importava com o que os outros diziam, pois adorava a inocência da infância.

Nunca dizia palavrões, nem pisava o risco, nem tanto por ser muito controlada, mas porque acreditava nas regras que seguia. Era tímida, mas tinha um forte sentido de justiça, pelo que se a situação o exigisse, defendia aquilo em que acreditava. Tinha valores fortes e um je ne sais quoi para causas perdidas... pois acreditava que no fundo as pessoas eram boas.

Era curiosa e observadora. Recolhia toda a informação e depois tirava as suas conclusões. Para ela o mundo era preto no branco.

Desde cedo soube o que queria fazer na vida, uma certeza que nunca mais viria a experimentar. Preocupava-se com os outros, mas era alegre e serena. À primeira vista, integrava-se com facilidade onde quer que fosse. Fora sempre delegada de turma e capitã de equipa, e no entanto, era também amiga de vários miúdos considerados “rufias”.

Tinha a sua vida toda planeada, queria trabalhar com crianças e ajudar pessoas, queria chegar àqueles que não “cabiam na caixa” (uma caixa em que ela aparentemente cabia tão bem). Queria criar uma escola de sonho, em que se pudesse aprender através das artes e do desporto, onde os miúdos pudessem experienciar o que é fazer parte de uma equipa e serem vistos como mais do que as suas notas.
Toda a gente sempre lhe dissera que quem se esforça tem sucesso, por isso acreditava mesmo que podia realizar o seu sonho. Tudo o que tinha de fazer era ser portar-se bem, cumprir as regras e trabalhar muito (tudo coisas que ela fazia bem!), e o resto aconteceria naturalmente.

Parecia fácil!

Até que um dia, tão banal como tantos outros, tudo começou a mudar. Começou por notar pequenas coisas, coisas que as pessoas diziam, como agiam, e lentamente começou-se a aperceber que as pessoas que a rodeavam, com quem tinha crescido, que devia amar e admirar incondicionalmente se calhar não eram todas assim tão fantásticas. Foi estranho ao início, ela costumava ser uma pessoa que gostava de toda a gente. Ainda via o mundo a preto e branco, por isso se essas pessoas não eram assim tão fantásticas... o que é que elas eram afinal?

A gota de água, no entanto, aconteceu uns meses mais tarde. Havia umas notícias na televisão sobre uma guerra, que há já uns tempos ela andava a tentar perceber. Queria saber o que se passava, sobre o que era... mas não chegava a nenhuma conclusão, pelo que acabou por perguntar a um adulto. Queria apenas saber quem eram os bons e quem eram os maus, para saber por quem devia torcer. Parecia uma pergunta simples, só que a resposta que recebeu foi “Não é assim tão simples... isto não é como nos contos de fadas, não há bons e maus, é um bocado mais complicado que isso”. E nesse momento tudo deixou de fazer sentido!

Bem, com o tempo ela percebeu, mas a verdade é que tudo mudou, porque de repente havia tantas zonas cinzentas. Por um lado era bom, isso queria dizer que aquelas pessoas que ela já não admirava a 100% não eram necessariamente más, talvez tivessem apenas lados diferentes que ela antes não conhecia, e isso era bom... mas o que quereria dizer sobre tudo o resto?

Se existiam zonas cinzentas, seria ainda verdade que o trabalho árduo garantia a realização dos sonhos? E ajudar outras pessoas, teria isso de facto assim tanto impacto nas suas vidas? Se agora de repente existiam zonas cinzentas, onde é que isso a deixava, a si e ao seu futuro??

Sunday, April 08, 2018

Overthinker


Nota: Versão portuguesa mais abaixo


The alarm rings, but you’ve away ahead of it, eyes wide open, thinking about everything and anything. You’ve been lying awake for while on your own accord, but you don’t feel rested. Even if you don’t count the early thoughts, there’re all the others, the ones that came late at night when you tried and failed to fall asleep, or the ones that came even later and got you out of your dreams.

There’s nothing particular in your mind, no particular worries, just a wild jungle of crazy gibberish. Sleep is one of the hardest aspects on your life. People have a hard time getting it, they say it’s lack of routine, that you’re not tired enough, what they don’t understand is how difficult it is to just lay there, silently, without a distraction, without a protection from your racing thoughts. You actually do have a routine, except that routine involves a long process of slowing down your brain, a task that often can take hours. Even more uncanny to people is the fact that the more overtired you are the longer it takes you to fall asleep, because just like children, overstimulation makes your brain fight against rest.

Regardless of your fatigue, you move out of bed and get ready for another day, your mind is already racing anyway, so you better get your body to follow it too. You get going with your morning routine and you get out of the house. It’s a good thing you gave up your car a while ago, because the 20 min walk is just enough to let your brain run is craziest, darkest thoughts before you get to work. Over time you’ve learned you can’t give in to the darkness, but that you can’t avoid it either, so you find it helpful to have pre-set times for these moments. You have a difficult time at just being. You can’t live in the moment, but walking, just like writing, does help to sort your thoughts and organized them in their own boxes.

This is often a moment where you rehearse any conversation you might need to have during the day. No matter how big or small, if you know it is coming, you’ll prepare yourself for it by imagining every possible outcome and dialog. You get side-tracked often, going back to conversations from years ago, that go back to your childhood and that for some reason you don’t forget. You go over every word you said and the ones you wish you had. You try to flush those thoughts away and go back to your topic, but cars are passing by, people are walking, rain drops on the floor, the birds sing… and the distractions are so many that sometimes it’s hard to focus on simply walking.

When you finally get to your destination you often wish you had a few more moments to gather your mind before interacting with people, but it’s too late for that now. Sleep might be one of the hardest aspects in your life, but social interaction follows close. If you exclude children, nothing comes easy to you when it comes to social interaction. You’ve always been surrounded by people and you have a bizarre obsession with human behaviour, and yet you don’t know how to deal with them. You find people watching fascinating because you want to try to figure them out, you want to know what their story is, but when it comes to actually get them, you’re far behind everyone else. You find it uncomfortable to take compliments or spontaneous proclamations of care, because you always doubt their true meaning. You are a person who needs facts, who needs to understand things to properly accept them, you need a reason behind everything and that’s why human interaction is so hard sometimes, because you often wonder why people do the things they do. Nonetheless, people are part of life, especially in your line of work, so you take a deep breath and finally go through the door.

There’s a sense of familiarity that welcomes you and is appreciated. It’s not easy for you to be stuck at one place for a long time, but at the same time you take comfort in little rituals. Like sitting in the same chair, having your own space… changing little things like these can throw you off your game, though you know is irrational and senseless and try to cope with it,  they do unsettle you. Being able to keep your routines helps you stay in control, and when you can’t grasp control over your mind you take it from everywhere else you can… which is why you start your day off with a list.

People find it amusing how you keep lists for everything. From work, to groceries, from the freezer contents, to traveling essentials, whatever it is you have to complete in your life, there’s a list for it. You’ve been teased about it before, what they don’t know is that you don’t do it for pleasure, you do it out of need, because it helps you control the panic and the sense of time running out. Having a list, a plan, helps you visualize that your tasks are achievable and settle the fear of failure.

So you write down the list for the day while you catch up with your colleagues that arrived earlier. The list rarely gets completely done, you know that, there’re always a million things you can’t control - sudden meetings, unexpected visitors - but still, it helps. It’s easier if you don’t have phone calls to make, you dread those, and in the days you do, you keep procrastinating. You might ask someone else to do it, if you didn’t hate asking for help even more than phone calls. No, you’ve decided a long time ago, that you wouldn’t be dragged down by irrational fears, so you’ll make the call, it may take the whole day to do it, but you’ll get it done.

Today you start the day off with a team meeting and you frequently jump into conversations.  You start from the middle and you don’t realise it until you read the confused look on their faces. The voices in your head are so loud and clear that you sometimes forget other people can’t hear them. It’s hard even for you to keep track of all your thoughts, it often happens that your mouth can’t keep up with your brain and you need to force yourself to take a break before verbalizing things.

During the meeting you try hard not go get lost inside your head and lose track of the conversation. Each sentence leads to 100 different ideas and thoughts that you rush to write down in hopes not to forget later on. They’re not all related to the topic at hand, some have no logical connection at all, yet they keep coming. You look at the clock, then at the list, then at the scribbles you have on your notebook, and try to remain focused. When lunch comes you feel like you haven’t done anything significant and yet are already exhausted.

You eat faster than you should for your own good, but your thoughts are racing while you do it so you don’t even notice it until it’s too late. It’s worst when you’re stressed, or there’s too much in your mind. Afterwards, if you’re lucky you get an actual break. When alone, you go back to your familiar walks to help you steady your mind for the rest of the day, but you’ve learned to enjoy the casual hang out with your colleagues too, and even vent out some frustrations.

Lunch break is usually reset time, but in days when you’re really wired it’s impossible to disconnect, so you go back straight to work, whether at your desk or simply in your mind. It is during this time that you realise if you’ve been hit by analysis paralysis again. You’re familiar with it, way more than you’d like to admit, it’s when you think so much, and come up with so many possible scenarios and hypothesis that you end up freezing and unable to do anything at all.

You’re annoyingly indecisive, even about the most insignificant things. Every little decision carries so much weight. It’s not always easy to come out of it. From the outside it might come across as laziness or lack of initiative, but in reality it’s a desire so big to reach perfection that freezes out every move. You want to act on your ideas only when you feel 100% ready, the problem is that people like you never feel ready, and rationally you know it. And so one more internal battle begins, as you try to convince yourself that if you will never feel ready you might as well take the leap and get it over with as you are only delaying the inevitable.

You’ve learned to deal with yourself over the years, you know better than to cave to your weaknesses, however, the fear of failure is so damn high that you doubt every move you make. Your two biggest fears in life are disappointing people and wasting your life away, and ironically, most times feels like it’s the first one that is leading to the second.

Speaking of wasting your life away, you realise your list is not even half way done, so you try to put your thoughts aside and pick one single topic to deal with, one that you feel you can resolve without much drama. Of course it’s easier said than done, because what your brain really wants is to go back to the unsolved problem on the list, the one you’re not quite sure how to address, because you can’t let anything go and you’re convinced that if you just go over the details one more time you will find a solution.

You don’t want to quit, you don’t want to fail, and even when you feel like you’ve moved on, you find your thoughts being drawn to it again. You curse at yourself for the lack of self-control and try to refocus again, you have 3000 different thoughts running through your brain at the moment, and you’re hoping you can get at least one thing done so you can forget about it and move on to the next. It finally seems to work, you’ve settled, you’re actually working towards one of your tasks, a few more minutes and you’ll get it done and then… suddenly a kid is standing next to your chair asking for a hug, and damn you shouldn’t let yourself get distracted once again, but FINALLY there’s something you feel like you can do, so screw it! You hug the kid and try to soak up all the good vibes. You may not be able to cross that item of your list in the end, and yet you feel better, guess you needed that hug as much as the kid.

Suddenly you are surrounded by noisy kids, but the work day is not over, there’s still time to get things done. Most people would think that this would be the worst possible time for a person that has a hard time concentrating the whole day to find focus, but you’re so used to the noise inside your head that you don’t find it difficult to deal with external distractions. Being unable to disconnect your brain made you a master at multitasking, plus you’re patient, because you deal with yourself every day and not a lot of tasks demand as much patience as that.

Days when you go out on the field are a blessing and a curse, it does feel good to break the routine sometimes, but in order to have that simple pleasure you need to abdicate a big deal of control. Public places can be both fascinating and overwhelming to you, especially when you’re surrounded and responsible for a group of children. You live in fear of what might happen. You’re always expecting the worst case scenario to become true, but controlled risk is part of life, so you bury your urges and stay calm, making sure you don’t let that worry and anxiety be transferred to the kids.

Eventually it’s time to go home and you try not to be too harsh on yourself for not achieving all you wanted for the day. You usually finish the day overstimulated and you know it will be hours until you can relax and turn the voices down (both yours and the kids’ that you carry wall the way home with you). Work may be officially done for the day, and if you’re lucky you don’t bring it home, but there’re always so many other things to worry about – projects, family, friends - not to mention all the conversations, messages, encounters you need to go over in your head times and times again. You don’t want to be a burden to people, so every invitation, every car ride, every favour request, is overanalysed.

When you get home, at the end of the day, you can finally take a deep breath and feel safe again. You survived one more day, and though you know you’ll have to cope with your thoughts until late in the night, at least now you’re in the comfort of your home, where the chances of failing are certainly less scary.  If it was a good day, you might even have managed to go through it without needing to shut yourself off. The world gets too loud for you at times, in the past you used to struggle with it more, but over time you started to realise that your overthinking gets louder when there aren’t as many distractions, so you now you try to find some balance.

When the moon rises you feel mentally exhausted, all energy completely drained, but in the quietness of your home you try to regroup. The night will be long, because in the silent of the night there’s nothing stopping your rambling thoughts to come at you at full force, but you know this drill, so you close your eyes and get ready for a night that will be almost as exhausting as your day, and when the morning comes… it all starts again.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


O despertador toca, mas tu já estás acordada, olhos bem abertos, a pensar sobre tudo e sobre nada. Acordaste por ti mesma há um bom bocado, mas sentes-te cansada. Mesmo se ignorares os pensamentos que te inundaram ao acordar, houve todos os outros que vieram ao final da noite quando tentavas adormecer, ou os que chegaram ainda mais tarde e que te arrancaram dos teus sonhos.

Não tens nada em particular na tua mente, não há preocupações específicas, simplesmente uma selva de rabiscos entrelaçados. O sono é um dos aspectos mais difíceis da tua vida. As pessoas têm dificuldade em compreender, dizem que é falta de rotina, que não estás suficientemente cansada, o que não percebem é a dificuldade que tens em simplesmente ficares ali, deitada, em silêncio, sem distracções, sem algo que te proteja dos teus pensamentos acelerados. Tu tens uma rotina, só que a tua rotina implica um longo processo de abrandar o teu cérebro, uma tarefa que normalmente demora horas. Ainda mais estranho para a pessoas é o facto de que quanto mais cansada estás, mais tempo demoras a adormecer, porque tal como uma criança, a híper estimulação faz o teu cérebro lutar contra o sono.

Apesar da tua fatiga, sais da cama e preparas-te para um novo dia. A tua cabeça já está a 1000, por isso mais vale o teu corpo seguir o mesmo exemplo. Completas a tua rotina matinal e sais de casa. Ainda bem que abdicaste do carro há alguns anos, porque a caminhada de 20 minutos é essencial para deixar o teu cérebro correr os seus pensamentos mais negros antes de chegares ao trabalho. Com o tempo aprendeste que não podes ceder à escuridão, mas que também não a podes evitar, por isso ajuda ter tempos predefinidos para estes momentos. Tens uma enorme dificuldade em simplesmente ser, em viver no momento, mas caminhar, tal como escrever, ajuda a separar os teus pensamentos e organizá-los em pequenas caixas.

É durante este momento que muitas vezes ensaias qualquer conversa que vais ter durante o dia. Não importa que seja insignificante, se souberes que vai acontecer, irás preparar-te para ela imaginando todos os cenários e diálogos possíveis. Distrais-te com frequência, relembrando conversas de há anos atrás, que ocorreram na tua infância, e que por alguma razão não esqueces. Revês cada palavra que disseste e aquelas que gostarias de ter dito. Tentas enterrar estes pensamentos e voltar ao tópico em mãos, mas os carros passam por ti, há pessoas a andar, pingos de chuva no chão, pássaros a cantar... as distracções são tantas que às vezes é difícil conseguires concentrar-te sequer em andar.

Quando finalmente chegas ao teu destino, muitas vezes gostavas de ter mais uns minutos para organizar a tua mente antes de interagir com outras pessoas, no entanto, agora é tarde demais para isso. O sono pode ser um dos aspectos mais difíceis da tua vida, mas socializar não fica muito atrás. Se excluíres crianças, nada em ti acontece de forma espontânea no que diz respeito à socialização com os outros. Cresceste rodeada de pessoas, tens uma obsessão bizarra por comportamento humano, e ainda assim não sabes lidar com eles. Achas fascinante observar pessoas no seu dia-a-dia porque queres tentar desconstruí-las, saber a sua história, mas quando se trata de percebê-las, estás a anos-luz do resto do mundo. Não sabes aceitar elogios ou proclamações espontâneas de carinho, porque duvidas sempre do seu significado verdadeiro. És uma pessoa que precisa de factos, que precisa de perceber as coisas para poder aceitá-las plenamente, precisas de uma razão para tudo, e é por isso que a interacção humana te é tão difícil às vezes, porque estás te sempre a perguntar porque é que as pessoas são como são. Apesar de tudo isto, as pessoas são parte da vida, especialmente na tua área de trabalho, por isso respiras fundo e finalmente atravessas a porta.

És recebida por um sentimento de familiaridade que aprecias. Tens dificuldade em ficar muito tempo no mesmo lugar, mas ao mesmo tempo confortam-te os pequenos rituais. Como poderes sentar-te sempre na mesma cadeira, ter o teu espaço próprio... mudar pequenas coisas como estas mexe contigo. Sabes que é irracional e lutas contra isso, mas a verdade é que te perturba. Ser capaz de manter as tuas rotinas ajuda-te a manter o controlo, e quando não consegues controlar a tua mente, tentas controlar tudo o resto... e é por isso que começas o teu dia com uma lista.

As pessoas acham engraçado como tens listas para tudo. Desde trabalho, às compras da casa, do conteúdo do congelador, a bens de viagem essenciais, qualquer que seja a tarefa que tens de completar na tua vida, há uma lista para ela. Já se meteram contigo por causa disso, o que não percebem é que não o fazes por prazer, mas sim por necessidade, porque te ajuda a controlar o pânico e a sensação do tempo a escapar-se por entre os teus dedos. Ter uma lista, um plano, ajuda-te a visualizar que as tuas tarefas são atingíveis e a atenuar o medo de falhar.

Assim, escreves a tua lista enquanto metes a conversa em dia com as colegas que chegam mais cedo. Raramente consegues completar a lista, há sempre uma enormidade de imprevistos que não podes controlar – reuniões improvisadas, visitantes inesperados – mas ainda assim, ajuda. Tudo se torna mais fácil se não tiveres de fazer telefonemas, odeias telefonemas, e nesses dias procrastinas sempre mais. Poderias até pedir a alguém que os fizesse por ti... se não odiasses pedir ajuda ainda mais do que odeias telefonar. Não, decidiste há muito tempo atrás que não te deixarias limitar pelos teus medos irracionais, por isso farás a chamada, poderá demorar o dia todo, mas vais fazê-la.

Hoje começas o dia com uma reunião de equipa, durante a qual com alguma frequência começas a conversa a meio e não te apercebes até veres o olhar confuso na cara das pessoas. As vozes na tua cabeça são tão claras e falam tão alto que às vezes te esqueces que os outros não as podem ouvir. É difícil, até para ti, manter rasto de todos os pensamentos, acontece muitas vezes a tua boca não conseguir acompanhar o teu raciocínio e teres de te obrigar a fazer um intervalo antes de verbalizares as coisas.

Durante a reunião tentas arduamente não te perderes nos teus pensamentos e prestar atenção à conversa. Cada frase leva a 100 ideias diferentes, que te apressas a anotar na esperança de não se perderem mais tarde. Nem todas estão relacionadas com o tópico em discussão, algumas não têm qualquer relação lógica de todo, mas ainda assim os pensamentos continuam a vir. Olhas para o relógio, depois para a lista, depois para os rabiscos no teu caderno, e tentas manter o foco. Quando a hora de almoço chega parece que ainda não fizeste nada de significativo, e no entanto já te sentes exausta.

Comes mais depressa do que devias, porque os teus pensamentos estão a correr enquanto o fazes, e são eles que marcam o compasso de todas as tuas acções. É pior quando estás stressada, ou há muito a fazer. Com sorte, quando acabas de comer consegues ter um verdadeiro intervalo. Quando sozinha, gostas de ir fazer as tuas caminhadas que te ajudam estabilizar a tua cabeça, mas já aprendeste a desfrutar da companhia das tuas colegas também e até a partilhar algumas frustrações.

A hora de almoço é normalmente tempo de fazer reset, mas nos dias que estás mais eléctrica torna-se impossível desligar. Nesses dias voltas rapidamente ao trabalho, seja na tua secretária ou simplesmente na tua cabeça. É normalmente neste momento que percebes se estás novamente a sofrer de paralisia de análise. Estás familiarizada com ela, mais do que gostarias de admitir, é quando pensas tanto, imaginas tantos cenários e hipóteses possíveis que acabas por bloquear e ser incapaz de qualquer acção.

És irritantemente indecisa, mesmo com as coisas mais insignificantes. Cada decisão, por mais pequena que seja, tem um peso enorme. E nem sempre é fácil sair desse bloqueio. Para quem está de fora pode parecer preguiça ou falta de iniciativa, mas na verdade é um desejo tão grande de atingir perfeição que bloqueia qualquer movimento. Gostas de partir para a acção apenas quando te sentes 100% preparada, o problema é que pessoas como tu nunca se sentem preparadas, e racionalmente sabes isso. E então começa mais uma batalha interna onde te tentas convencer que se nunca te vais sentir preparada mais vale arriscar do que estar a adiar o inevitável.

Com o tempo aprendeste a lidar contigo mesma. Sabes que não podes ceder às tuas fraquezas, mas o medo de falhar é tão grande que duvidas de tudo o que fazes. Os teus maiores medos são desiludir os outros e desperdiçar a tua vida, e ironicamente parece que é o primeiro que te leva ao segundo.

Por falar em desperdiçar, apercebeste que o dia vai a meio e a lista ainda está por concretizar, por isso tentas escolher o ponto mais fácil para que o possas resolver rapidamente. Claro que isso funciona apenas na teoria, porque o que o teu cérebro quer mesmo é focar-se no problema sem solução, porque acreditas que se revisses todos os detalhes apenas mais uma vez talvez conseguisses encontrar a resposta.

Não queres desistir, não queres falhar, e mesmo quando acreditas que já estás em outra, dás por ti a pensar no assunto outra vez. Refilas contigo mesma pela falta de autocontrolo e tentas concentrar-te mais uma vez. Tens 3000 pensamentos a atravessar o teu cérebro num só momento, e já só queres conseguir completar pelo menos uma tarefa. Finalmente parece resultar, estabilizas, estás finalmente a trabalhar em uma das tuas tarefas, mais uns minutinhos e terminas, e de repente... um miúdo está ao teu lado a pedir um abracinho, sabes que não te devias deixar distrair outra vez, mas FINALMENTE surge alguma coisa que sabes que consegues fazer! Assim acabas por abraçar o miúdo e sentá-lo no teu colo, tentando absorver todas as suas boas energias. Se calhar não vais conseguir eliminar aquele ponto da tua lista, mas não importa, porque a verdade é que te sentes melhor, parece que precisavas tanto do abraço como ele.

Agora estás rodeada de miúdos barulhentos, mas o dia de trabalho ainda não chegou ao fim, ainda há tempo para fazer mais alguma coisa. A maioria das pessoas podem achar que esta seria a pior altura para alguém como tu, com tanta dificuldade em se concentrar, encontrar um foco, mas a verdade é que estás tão habituada ao barulho dentro da tua cabeça que as distracções externas não te incomodam. Ser incapaz de desconectar o teu cérebro tornou-te uma mestre em multitasking, para além disso és paciente, porque lidas contigo mesma o dia todo, e poucas coisas exigem tanta paciência como isso.

Os dias em que vão para o exterior são uma bênção e uma maldição. Sabe bem quebrar a rotina, mas em troca desse simples prazer tens de abdicar de uma boa dose de controlo. Lugares públicos são simultaneamente fascinantes e aterrorizadores para ti, principalmente quando estás rodeada e és responsável por um grupo de miúdos. Vives num medo constante do que pode acontecer. Estás sempre à espera que o pior aconteça, mas riscos controlados fazem parte da vida, por isso enterras esses sentimentos e manténs-te calma, garantindo que não deixas essa preocupação e ansiedade passar para os miúdos.

Chega então a hora de ir para casa e tentas não ser demasiado dura contigo mesma por não teres atingido tudo o que tinhas planeado para o dia. Quase sempre acabas o dia num estado de hiperestimuçaão e sabes que vai levar horas até finalmente conseguires relaxar e baixar o som das vozes na tua cabeça (das tuas e das dos miúdos, que te seguem até a casa). O dia de trabalho pode ter oficialmente chegado ao fim, e se tiveres sorte não trazes trabalho para casa, mas há sempre tantas outras coisas para te preocupar – projectos, família, amigos – já para não falar de todas as conversas, mensagens, encontros, que precisas de rever na tua cabeça vezes e vezes sem conta. Não queres ser um peso para os outros, por isso cada convite, cada boleia, cada favor pedido, é analisado até à exaustão.

Quando chegas a casa, ao final do dia, respiras de alívio e finalmente sentes-te segura outra vez. Sobreviveste a mais um dia, e apesar de saberes que ainda terás de lidar com os teus pensamentos até à noite cerrada, pelo menos agora poderás fazê-lo do conforto da tua casa, onde as hipóteses de errar são sempre mais reduzidas. Se tiver sido um bom dia, poderás até ter sobrevivido sem teres tido necessidade de te isolares. O mundo é demasiado barulhento para ti, no passado costumava ser mais difícil para ti lidar com isso, mas com o tempo percebeste que os teus pensamentos se tornam mais gritantes quando há menos distrações, por isso agora tentas encontrar um equilíbrio.

Quando a lua sobe sentes-te mentalmente exausta, toda a energia sugada de ti. A noite será longa, porque no silêncio da noite, nada impede os teus pensamentos de te invadirem com toda a força, mas nada disso é novo para ti, por isso fechas os olhos e preparas-te para uma noite que será quase tão cansativa como o resto do teu dia, e quando a manhã chegar.... começa tudo outra vez.

Friday, April 06, 2018

Values / Valores


Nota: Versão portuguesa mais abaixo.


Today with the kids we talked about values. There’s nothing new about it, we do it often, more than we probably realise, the difference being that today that was the official topic of the day.

Values. Day in and day out, they’re a big part of our fight, probably the biggest part of them all, at least for me. I know I’m way pass the age to be naïve, I know I should probably care a bit more about numbers and results than I do, but truth is, the one thing I really care about is the long term impact that our actions will have in these kids’ lives.

We want them to succeed in life, therefore we (try to) teach them about honesty, forgiveness, justice, friendship, amongst so many other core values we feel important, but how much thought do we put into it? Our values are our beliefs, what we think is important in life. They determine how we act and the way we interact with people, but how aware of it are we?

Do we even know what values we live by? It sounds like a simple question, but after trying a couple exercises I realised it is not. What I found out was that I can’t choose the top 3, top 5, not even top 10 values that are most important for me. For one, because as I look at the list in front of me I find hard to dissociate what I believe my values are, from what I believe the other people identify as being my values. Of course some would be the same, but others…. Isn’t that a common issue in life? That the perception we have of ourselves doesn’t match the way other people see us? And if our personal values represent who we are and who we want to be, can we actually count as a value something that we haven’t achieved yet? What does it really count as your value? Is it a belief you have and are able to shape your actions after it or is it simply something you find important, even if you haven’t necessarily found the best way to express it?

These values that I guide my life by, even if unconsciously, are these really the values I want to pass along to the kids or are these just the ones that were passed on to me and prioritized by my family, culture, society?

What about my behaviour? Is my behaviour actually consistent with the values I think I have? Promoting values is so much more about sharing them with others, letting them experience their worth through your actions, than just talking. So am I doing my part or am I preaching one way and acting another?

A lot of the things we do and say are shaped by our values and our beliefs, and often, those come so naturally to us and we don’t even see them anymore. That can be positive in the sense that it makes us more genuine, but when in our hands rely the very malleable minds of children, shouldn’t we be more aware of what our message is?


::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Valores

Hoje, com os miúdos, falámos sobre valores. Nada de novo nisso, é um tema em que tocamos com mais frequência do que aquilo que temos noção, a diferença é que hoje, esse era o tema oficial do dia.
Valores. Dia após dia, os valores representam uma grande parte do nosso trabalho, talvez a maior de todas, pelo menos para mim. Sei que já passei a idade de ser ingénua, que provavelmente me deveria preocupar um pouco mais com números e resultados para o meu próprio bem, mas a verdade é que a única coisa que me interessa na verdade é o impacto que, a longo termo, as nossas ações vão ter na vida destes miúdos.

Queremos que tenham sucesso, por isso tentamos ensinar-lhes sobre honestidade, perdão, justiça, amizade, entre tantos outros valores que consideramos importantes, mas quanto tempo perdemos a pensar realmente sobre o assunto? Os nossos valores são as nossas crenças, aquilo que acreditamos ser importante na vida. Eles determinam como agimos e a forma como interagimos com quem nos rodeia, mas temos consciência da forma como influenciam a nossa vida?

Será que conseguimos definir quais os valores que nos guiam? Parece uma pergunta simples, mas depois de tentar alguns exercícios percebi que na verdade não é. O que descobri foi que não consigo eleger 3, 5, nem sequer os 10 valores mais importantes para mim. Primeiro porque, olhando para lista torna-se difícil dissociar aqueles que acredito serem os meus valores, dos valores que as outras pessoas vêem em mim. Certamente alguns coincidirão, mas outros... (É um problema comum, a percepção que os outros têm de nós não coincidir com a forma como nos vemos...). Por outro lado, se os valores representam o que somos e quem queremos ser, podemos contar como valores algo que consideramos importante mas ainda não atingimos? O que conta na verdade como sendo um valor? Acreditar em algo que consideramos importante e que influencia as nossas decisões ou simplesmente algo que consideramos importante ainda que não saibamos ao certo como o expressar?

Estes valores que guiam a minha vida, de forma mais ou menos consciente, serão mesmo estes os valores que quero passar aos miúdos? Ou serão apenas estes os que me foram passados a mim e priorizados pela minha família, cultura, sociedade?

E o meu comportamento? Será o meu comportamento consistente com os valores que acho que defendo? A promoção de valores, mais do que pela conversa faz-se na partilha com os outros, deixando que percebam a sua importância através das nossas ações. Estarei eu a fazer a minha parte, ou estarei a pregar uma direção e a seguir outra?

Muitas das coisas que fazemos e dizemos são moldadas pelos nossos valores, que muitas vezes ocorrem de forma tão natural que nem nos apercebemos. Isso pode ser positivo no sentido em que nos torna mais genuínos e espontâneos, contudo, quando nas nossas mãos estão as mentes tão maleáveis de crianças/jovens, não deveríamos ter mais claro qual é a mensagem que queremos passar?

Wednesday, March 21, 2018

Essence/Essência


Nota: Versão portuguesa mais abaixo.


Why are we the way we are? What lies behind our essence?

The first time I went abroad to live in another country, one of the things that excited me the most was the realisation that I could be whoever I wanted to be, because where I was going no-one knew me, therefore there were no expectations. I did dare out of my comfort zone and I grew a hell lot, but what I’ve learned was that soon, the image people had of me there, wasn’t much different from the one they had back home. Soon after my arrival, I noticed the way people would describe me was very similar to how I had been described my whole life.

After a whole year away I returned to Portugal. I found a job in the most unlikely place, surrounded by people with all sorts of backgrounds, that I have never met before. Another chance for a fresh star, I thought, but it didn’t last long… soon enough my label was back on.

I tried it one last time… when I ventured to Poland to become an international volunteer. A new shot at challenging myself, a new chance to test my limits, another opportunity to start from scratch… non surprisingly the feedback was always the same.

And so I realised no amount of running here or there was going to change anything… I realised that despite the circumstances and the distance, the people that surrounded me or the line of work I was involved with, I was always perceived the same way, because that was simply who I was. And one would think this is depressing thought, that regardless where we go and what we do, people will always see us in a certain way, but it goes deeper than that.  I would be diminishing all the amazing experiences I had if I said I didn’t change over the years. We do change. Each one of these experiences, and countless more, have left a mark in me and have changed me in ways I never imagined possible. In a lot of ways I’m stronger and smarter, and for sure more resourceful than I ever was, but the core is still the same. I have evolved. It is my essence that hasn’t changed. And it’s comforting to know that in a world of constant change there is some consistency, that despite how lost we feel at times (most of times) our values guide us, even when we don’t even acknowledge them.

So what is our essence? What is it that makes us unique? What is it that defines who we are, how we act, and how we interact with the world and the ones around us?

We’ve all been asked, at some point in our lives, to describe ourselves. This should be an easy question, after all, we’ve lived with ourselves our entire life… except it is not. The uncanny part is how strongly we can be influenced by these principles, these beliefs, how consistently we can act and still not even be able to point out what it is that define us, and why.

::::::::::::::::::::::::::::::::::

Essência

Porque somos como somos? O que se esconde por trás da nossa essência?

A primeira vez que fui viver para o estrangeiro, uma das coisas que mais me entusiasmou foi perceber que podia explorar outros lados de mim, porque para onde ia, ninguém me conhecia e por isso não tinha pressão de corresponder às expectativas que todos tinham de mim. Saí da minha zona de conforto, e cresci mais do que alguma vez teria imaginado, mas aprendi que depressa a imagem que as pessoas tinham de mim neste novo local, não era muito diferente daquela que todos os outros sempre tinham tido em Portugal. Pouco tempo depois da minha chegada aos EUA percebi que a forma como as pessoas me descrevia aqui era pouco diferente da forma como me tinham descrito toda a minha vida.

Depois de um ano fora regressei a Portugal. Encontrei emprego no lugar mais improvável, rodeada de pessoas com todo o tipo de histórias e passados, que nunca tinha conhecido antes. Mais uma hipótese para começar de novo, pensei... mas não durou muito. Rapidamente o meu “rótulo” estava de volta.
Tentei uma última vez... quando me aventurei para a Polónia para fazer voluntariado. Mais uma tentativa, mais uma hipótese para testar os meus limites, mais uma oportunidade para começar do zero... sem surpresas, o resultado foi o mesmo de sempre.

E assim que percebi que por mais que corresse ou tentasse fugir, nada iria mudar... Percebi que independentemente das circunstancias e da distância, das pessoas que me rodeiam e/ou da linha de trabalho em que me envolvia, serei sempre vista da mesma forma, porque simplesmente é assim que sou. Pode parecer deprimente, pensar que independentemente de onde formos ou do que fazemos, as pessoas nos vão ver sempre de uma determinada maneira, mas é mais profundo que isso. Estaria a menosprezar todas as experiências incríveis que tive se dissesse que não mudei ao longo dos anos. Nós mudamos. Cada uma destas experiências que falei, e tantas outras, deixaram em mim uma marca, e mudaram-me de formas que nunca achei possível. De muitas formas estou mais forte, mais esperta e, sem dúvida, mais desenrascada, mas o core é o mesmo. Eu evoluí, a minha essência é que é a mesma. E é reconfortante saber que num mundo em constante mudança ainda há alguma consistência, que apesar de muitas vezes nos sentirmos perdidos, os nossos valores guiam-nos, mesmo quando nem damos por isso.

Então qual é a nossa essência? O que é que nos torna únicos? O que é que define quem somos, como agimos e como interagirmos com o mundo e os outros à nossa volta?

Em algum momento da nossa vida, já todos tivemos de responder à pergunta “Como te descreves?”. Devia ser uma pergunta fácil, afinal de contas vivemos connosco próprios toda a nossa vida, nós mais que ninguém devíamos saber responder a esta pergunta... só que nem sempre é assim tão fácil. O mais curioso é mesmo como podemos ser tão influenciados por estes valores e princípios, como conseguimos ser tão consistentes com o nosso comportamento quando na verdade nem conseguimos identificar o que nos guia, e porquê.