Thursday, November 15, 2018

Finding yourself / Procura interior


Note: Portuguese below.

How many of us, at some point in life, have felt the need to find themselves? For some it happens in teenage years, or after college, for some much later, maybe masked as a mid-life crisis, but sooner or later, chances are we will go through it.

The question is, what does it even mean? How do we lose ourselves? Our self is not an object that can be left behind, forgotten in a random corner, so how do we lose it? And more importantly, how do we find it?

Perhaps we don’t. Perhaps it was never really lost to begin with, perhaps it is just disguised under cultural conditioning, society’s opinion and inaccurate self-judgment we’ve developed over the years.

Who were you has a child? What did you believe in, what made you tick prior to being led to be who the world thought you should be?

Losing yourself usually happens when, consciously or unconsciously, you let the world change you in ways that force you to do or be what you should do/be, instead of doing what you truly want and being who you really are.

We are not the same people we were when we were children, we’ve lost innocence, we’ve changed, we’ve grown… but is our core really that much different? Our hopes and dreams may have developed, but how distant are they from where they originally started?

What if we have it wrong from the start? What if we don’t need to find ourselves? What if what we do need is to follow the path that will help us create ourselves, starting from the naïve children we were and taking in consideration each and every defining experience we have had?

There’s this mystic notion of finding ourselves, like a magical quest that will end up in a perfect place where all the answers are found and we are immerse in an unbroken sense of tranquility, but what if the goal is not the destination, but the journey?

We see this process of soul-searching as a need to redefine ourselves, but what if the ultimate goal is not to become anything different, but to go back to our roots and embrace who we were meant to be in the first place? New beginnings and fresh scenarios will be helpless if you don’t allow yourself to look inside, accept who you are and what you want to become.



:::::::::::::::::::::::::::::


Procura Interior 


Quantos de nós, em algum momento das nossas vidas, sentimos a necessidade de procurar o nosso verdadeiro “eu”? A alguns acontece na adolescência, ou a seguir à faculdade, para outros bastante mais tarde, às vezes até disfarçada de uma crise de meia-idade. Seja em que altura for, o mais provável é passarmos por isso.
A questão é, o que é que isso significa? Como é que perdemos o nosso “eu”? Não é um objecto que possamos deixar para trás, esquecido num canto qualquer, então como é que o perdemos? E mais importante ainda, como é que o encontramos?

Se calhar não encontramos. Se calhar na verdade nunca o perdemos, se calhar o nosso “eu” está só escondido por baixo de camadas de condicionantes culturais, opiniões da sociedade e julgamentos negativos que fomos desenvolvendo sobre nós mesmos ao longo dos anos.

Quem eras enquanto criança? No que é que acreditavas? O que é que fazia o teu coração bater mais forte antes de te sentires forçado a ser aquilo que o mundo esperava que fosses?

Este processo de perda do nosso “eu” normalmente acontece quando, consciente ou inconscientemente, deixamos o mundo influenciar-nos de tal forma que passamos a fazer e a ser o que é suposto, em vez daquilo que verdadeiramente queremos e/ou somos.
Não somos as mesmas pessoas que éramos enquanto crianças, perdemos inocência, mudámos, crescemos… mas será o nosso core assim tão diferente? As nossas esperanças e sonhos podem ter-se desenvolvido, mas estarão assim tão distantes dos originais?

E se estivermos a ver isto tudo de forma errada desde o início? E se não precisarmos de nos encontrar? E se tudo o que precisamos é seguir o caminho que nos ajude a criar o nosso “eu”, partindo da criança inocente que fomos e tendo em consideração todas as experiências significativas que tivemos ao longo da vida?

Há uma mística enorme à volta desta ideia de procura interior, como se tratasse de uma caça ao tesouro mágica que termina num lugar perfeito onde encontramos todas as respostas e estamos imersos num inabalável sentimento de tranquilidade, mas e se o objectivo não for o destino final, mas sim o caminho?

Vemos este processo de procura interior como uma necessidade de nos redefinirmos, mas se calhar o que precisamos não é de nos tornarmos em algo diferente, mas sim voltarmos às origens, e abraçarmos aquilo que sempre soubemos ser. Recomeços e mudanças de cenário são inúteis se não estivermos dispostos a olhar para dentro de nós, e aceitar quem somos e o que queremos ser.

Friday, October 19, 2018

Vitamin H / Vitamina A

Nota: Versão portuguesa abaixo.

"We need 4 hugs a day for survival, 8 for maintenance and 12 for growth”
Virginia Satir


Once, when I was 14/15 years old, I was waiting to be picked up after basketball practice when a friend approached me and complained about how she missed our old coach. She proceeded to hug me and a few seconds later I heard the horn indicating my parents had arrived. As soon as I entered the car they asked me what was wrong and I said nothing, because nothing really was, but they kept insisting, something must had been wrong otherwise why would we be hugging? My dad started to get aggravated, because we really wanted to know what was wrong, and eventually my mom told him to let go, because whatever was wrong, pressuring me wouldn’t help. I know they were coming from a good place, that they just wanted to know what was going on so they could fix it, but that moment stuck with me, because I couldn’t understand why it was so hard to believe that two people were simply hugging for “no reason”.

More recently, I was saying goodbye to a friend after work and we hugged, like we often do, when she left, a girl who was waiting for me asked if my friend was going to on a trip, confused I said no, to which she replied “but you hugged… that’s weird!”. A few years back I might have agreed with her, but at that moment I felt sad for her because if she thought hugging a friend was weird, it meant she had no idea how good it felt.

I’m not a very touchy person, I don’t love being surrounded by people and human touch doesn’t necessarily comes natural to me, maybe because overtime I also developed that idea that I needed a reason, an excuse, to hug someone. However, over the years I was lucky enough to cross paths with people that thought differently, people who hugged me just because, and that made me change my mind.

How many of us, in the face of distress, wish we could go back to when we were children and someone could just hug us and we’d believe everything would be fine? We will never be that innocent again, but even as grown adults hugs can give us the comfort often times we don’t even know we need.

Emotional proximity is vital for our development as human beings, we need to feel emotionally involved to learn and grow, and hugs are one simple way to nurture this proximity and build a connection with others. Nothing can bring you closer to someone than a proper hug, a hug where you feel the energy flow between the two bodies. There’s no lying when it comes to hugs, you can tell when it’s not meant, so there’s a huge degree of honesty that assures you that you are loved, respected and that you belong.

I could talk all day about the science behind it, but that’s not why we’re here today. We don’t need to study the effects hugs can have on us, we need to feel it.

As children, seeking comfort is something we do naturally, we are smart that way when we are kids, but as time goes by most of us forget how to do it, and it takes time and even effort to reeducate ourselves in this matter. I’m not a natural hugger. For a long time I convinced myself that this touchy-feely stuff was not for me, and to be fair, with a lot of people hugging still doesn’t come automatically to me, I still get quite stiff in a lot of interactions, so why did I start hugging?

Unconsciously I think it all started with kids. My awkwardness towards people doesn’t extend to the little ones, when it comes to kids hugging and comforting are instinctive to me, and what I realized was that whenever I was holding them I’d take as much comfort from the embrace as they did. That was my first lesson - the power of hugs - there’re mutual benefits, there’s equal value in receiving and providing a warm embrace.

I’m the kind of person who absorbs other people’s pain, maybe I don’t have enough drama in my life, or I don’t want to deal with it, so I tend to feel other people’s pain as my own, I also tend to want to fix things. When you have this level of empathy, and to a degree get affect by people’s pain you realize that you end up needing that hug as much as the wounded person. You see someone suffering and you wrap your arms around them for a supportive embrace, to comfort them, and become aware you don’t want to let go, because you also need the comfort. In a selfish way it eases your pain, it convinces you that even if temporary, you might have contributed to that person’s sense of safety.

My brain is constantly flooded with words, so much so, that when important times come I often can’t choose what to say. I’m rational, I like explanations, I need words to make sense of life, but truth of the matter is, a lot of times there’s really nothing you can say that can change the situation, nothing that can take the pain away. Hugs can help. Suddenly you feel the body you are holding relaxing against yours, you feel your heartbeats steadying and for a second you forget everything else. For a second you forget your problems, for a second you let go of control, you stop trying to fix other people’s pain and just take pleasure in the moment. Hugs help you express your emotions, they let the other person know what words can’t say. There’s so much that can be put in a hug that words can’t express.

About a year and a half ago, a friend introduced me to the concept of “vitamins”. By vitamins she meant all the positive actions/gestures that involved other people and had the power to energize us. Vitamin H (=hugs) was very high on the list. It started as a joke, but the more I thought about it, the more sense it made. I started paying attention, and I came to the conclusion that on tougher days at work I’d found myself waiting for the time kids would come from school, because the first thing they’d do was come to me for some cuddles, and I realized it was their hugs that helped me get through the day.

Hugs force us to take a break from the rush of everyday life and our thinking patterns, and connect with another soul, which is why we don’t need anything to be wrong in order to hug someone.  The first time I moved abroad on my own I was barely 22 years old. It was a great experience, I’ve never even felt homesick. I was fine. I was traveling, I had met great people, I was proud of myself for the risk I was taking, I was having the time of my life, and yet, whenever I visited Auntie Annee’s home and she would squeeze me in a bear hug I felt my body melt. To this day that’s one the fondest memories I keep from that year.

Yesterday we were running a workshop about “Vitamins” with a class at high school, the whole idea was for teens to reflect on the effect different actions/words can have on people and how they could help improve their school’s environment. When we were about to finish we asked them why they thought we had named the workshop “Vitamins”, a few kids were confused because the workshop was not related to food, but one girl coyly said it made sense because those positive actions/gestures (=vitamins) were food for the soul. And that’s what hugs are, they are vitamins for the soul, they feed our hearts and fuel our lives.



“Precisamos de 4 abraços por dia para sobreviver, 8 para nos manter e 12 para crescer”
Vírgina Satir


Uma vez, quando  tinha 14/15 anos, estava à espera de boleia a seguir ao treino quando uma amiga se aproximou e se queixou das saudades que tinha do nosso ex-treinador. Quando terminou deu-me um abraço e nesse preciso momento ouvi a buzina do carro que indicava que os meus pais tinham chegado. Assim que entrei no carro perguntaram-me o que é que tinha acontecido, o que é que estava errado, eu respondi nada, porque a verdade é que estava tudo bem, mas continuaram a insistir, alguma coisa de errado devia ter acontecido, senão porque nos estaríamos a abraçar? O meu pai começou a ficar irritado pois queria realmente saber o que se tinha passado, até que a minha mãe lhe disse, que se realmente alguma coisa não estava bem pressionar-me não ia ajudar. Naturalmente a intenção era boa, estavam preocupados, mas esse momento ficou-me marcado na memória pois não conseguia perceber porque é que era tão difícil acreditar que duas pessoas amigas se estavam simplesmente a abraçar, sem particular motivo.

Mais recentemente, estava a despedir-me de uma colega à saída do trabalho e demos um abraço, como fazemos frequentemente, quando ela foi embora a pessoa que estava à minha espera perguntou se a minha amiga ia de férias, confusa disse que não, ao que ela respondeu “mas vocês abraçaram-se... isso é estranho!”. Há uns anos atrás talvez tivesse concordado com ela, mas naquele momento tive pena dela, porque se alguém acha estranho abraçar um amigo é porque não faz ideia do bem que isso sabe.

Não sou uma pessoa muito carinhosa, não gosto de estar com muita gente e o toque humano não é algo a que reaja com naturalidade, talvez porque com o passar do tempo fui também eu acreditando que é necessário uma razão, uma desculpa, para se abraçar alguém. No entanto, tive a sorte de ao longo da minha vida me cruzar com pessoas que pensam de maneira diferente, pessoas que me abraçaram “sem razão”, e que me fizeram mudar de ideias.

Quantos de nós, em momentos de stress, desejamos voltar a ser crianças e ter alguém que nos abrace e que nos faça acreditar que tudo vai ficar bem? Nunca mais voltaremos a recuperar essa inocência, mas mesmo enquanto adultos, é num abraço que podemos encontrar o conforto que muitas vezes nem sabemos que precisamos.

A proximidade afectiva é essencial ao nosso desenvolvimento enquanto seres humanos, precisamos de nos envolver emocionalmente para aprender e crescer, e os abraços são uma maneira simples de nutrir esta proximidade e estabelecer uma relação com os outros. Nada nos aproxima mais de outra pessoa do que um abraço bem dado, um abraço daqueles em que se sente a troca de energia entre dois corpos. É impossível aldrabar um abraço, sente-se quando não é sentido, por isso há um enorme grau de honestidade que acompanha um bom abraço, que nos faz sentir amados, respeitados e que pertencemos.

Podia passar o dia a escrever sobre a ciência por detrás dos abraços, mas não é para isso que aqui estamos. Não precisamos estudar os efeitos que os abraços podem ter em nós, precisamos de senti-los.

Enquanto crianças, procurar o conforto nos braços de outra pessoa é algo que fazemos com naturalidade, contudo, com o tempo, a maior parte de nós perde essa capacidade e é preciso tempo e algum esforço para recuperá-la. Não sou uma pessoa que distribua abraços naturalmente, durante muito tempo convenci-me que esse tipo de “lamechices” não eram para mim, e para ser sincera ainda hoje não consigo fazê-lo com toda a gente, ainda fico muito rígida se sou apanhada desprevenida, não é necessariamente algo que faça sempre com espontaneidade... então porque é que decidi começar a dar mais abraços?

Inconscientemente acho que começou tudo com as crianças, é com eles que estou mais confortável e com eles os abraços e os mimos são instintivos. O que percebi com o tempo foi que quando os abraçava isso dava-me tanto conforto a mim como lhes dava a eles. Isso foi a minha primeira lição – o poder dos abraços – que há benefícios mútos, que o prazer é igual para quem dá ou quem recebe um abraço.

Sou o tipo de pessoa que absorve as dores dos outros, talvez não tenha drama suficiente na minha vida, ou talvez não queria lidar com ele, por isso tenho tendência para sentir dores alheias como minhas, e tenho também o hábito de querer resolver tudo. Quando se tem este nível de empatia, e se é afectado pelo sofrimento dos outros acabamos por perceber que precisamos do seu abraço tanto quanto eles precisam do nosso. Vemos alguém a sofrer e oferecemos um abraço, conforto, e o que acabamos por perceber é que não queremos que o momento termine, porque a verdade é que também nós precisávamos desse abraço. De uma forma egoísta, esse abraço apazigua as nossas dores, convence-nos que, ainda que temporariamente, talvez tenhamos contribuído para que essa pessoa se tenha sentido a salvo.

O meu cérebro é constantemente inundado por palavras, tanto que nos momentos importantes tenho dificuldade em escolher quais usar. Sou racional, gosto de explicações, preciso de palavras para entender o significado da vida, mas a verdade é que muitas vezes não há nada que possamos dizer para melhorar a situação, palavras nenhumas que possam eliminar a dor. Os abraços ajudam. Sentir o corpo que abraçamos a relaxar junto ao nosso, sentir os batimentos cardíacos a estabilizar, por um segundo esquecemos tudo o resto. Por um segundo esquecemos os nossos problemas, por um segundo abdicamos do controlo, deixamos de tentar resolver os problemas da outra pessoa e simplesmente aproveitamos o prazer que aquele momento nos dá. Os abraços ajudam-nos a expressar as nossas emoções, dizem ao outro aquilo que as palavras não conseguem explicar.

Há cerca de um ano e meio, uma amiga introduziu-me ao conceito de “vitaminas”. Por vitaminas entendia todas as acções/gestos positivos que envolvem o outro e que têm o poder de nos energizar. A vitamina A (=abraço) estava no topo da lista. Tudo começou como uma brincadeira, mas quanto mais pensava no assunto mais sentido fazia. Comecei a prestar atenção e percebi que nos dias mais difíceis no trabalho dava por mim ansiosa que os miúdos chegassem da escola, porque a primeira coisa que faziam quando chegavam era vir ter comigo para mimos, e cheguei à conclusão que os seus abraços era o que eu precisava para aguentar o dia até ao fim.

Um abraço força-nos a fazer uma pausa, a tirar um momento de um dia agitado, a deixar de lado os pensamentos e a conectar com o outro, e é por isso que não é preciso estar nada errado para se dar um abraço. A primeira vez que fui viver para o estrangeiro sozinha tinha acabado de fazer 22 anos. Foi uma experiência brutal, nunca sequer tive saudades de casa. Estava bem. Estava a viajar, conheci pessoas fantásticas, estava orgulhosa dos riscos que estava a correr, estava a adorar cada momento, e ainda assim, sempre que visitava a casa da Annee e ela me esborrachava num abraço apertado sentia o meu corpo a derreter. Até hoje é uma das melhores memórias desse ano que guardo comigo.

Ontem, estávamos a dinamizar um workshop sobre “Vitaminas” com uma turma de 10º ano, e a ideia era que os jovens explorassem os efeitos que diferentes acções/gestos têm nas pessoas e como é que eles podiam contribuir para um interacções mais positivas na escola. Perto do fim perguntámos aos jovens porque é que achavam que tínhamos intitulado o workshop de “Vitaminas”, alguns estavam confusos porque o workshop não tinha nada a ver com comida, mas timidamente uma rapariga disse que fazia todo o sentido pois estas acções/gestos positivos (=vitaminas) representavam a “comida psicológica”. E é isso que os abraços são, vitaminas para o nosso ser, alimentam os nossos corações e estimulam as nossas vidas.  

Thursday, October 11, 2018

The big 3-0 / Os grande 30


Nota: Versão portuguesa mais abaixo


On the morning of my 6th birthday I woke up in the morning and ran straight to the kitchen. I opened the third drawer, found a balloon and blew as hard as I could… nothing happened. Frustrated, I put the balloon aside, puckered my lips and blew… again nothing happened! I was crushed, absolutely crushed. For the past months I had admired how my cousin could whistle and blow up balloons on her own. She was 10 months older than me and she had promised me these were skills “only six year olds could master”. To my disappointment, despite being older, clearly nothing had changed overnight… It was a hard lesson at the time, but I’ve learned! And the same lesson goes regardless how old you are turning. Nothing will change just because you are turning a year older. 

We tend to perceive our lives in terms of milestones, and round numbers like 30s, 40s, etc, are definitely some of those that are often overrated. I guess turning 30 can be scary for some people… if you weren’t willing to admit it before, now there’s no escape, you are an adult! But what does that mean? What does it mean being an adult? What does it mean being 30? The truth is that it doesn’t mean anything… or better yet, it can mean whatever you want it to mean! You have a choice, you define how you want to look at it. It can be a year like any other, or it can be a turning point, it all depends on how you face it.

I read somewhere that “the only time you really live fully is from 30 to 60 [because] the young are slaves to dreams [and] the old servants of regrets” and if we look at it not necessarily from a chronological age point of view, but from a state of mind point of view it makes sense to me.

I was a slave to dreams.

As a child I lived in a bobble. I was a kid who was always happy, I woke up happy. I dreamed big and I believed in… well, everything. Then reality stroke and for a very long time I struggled hard. I was constantly disappointed at myself because I couldn’t possibly achieve the ideals I had set up myself for, I could never be enough for the standards I thought I must fit in. I was chasing a future that wasn’t humanly reachable.

Everything that came after that perfect childhood bobble has been a constant struggle. People tell you to give it time, that it’s just a phase, and that’s probably the worst advice I’ve ever been given! All those years, I kept waiting for the phase to finish, I kept waiting for clear skies, I kept waiting for the time I would finally feel like I belong… until one day I realised this “just a phase” situation had last for over 15 years!

This awareness was depressing at first, terrifying even, but after a little while, surprisingly enough I felt relief. A new sense of freedom and liberation came with knowing that life would never get simpler and time would never magically fix anything, so I could stop waiting, and finally start living. Change doesn’t happen overnight or all at once, it’s all in the little things, in the challenges you dare to face, in the small victories that nobody sees. You will never go back to who you were, I can’t deny that by this age all innocence has been lost, but by now it has been replaced by a new sense of reality, mixed with a strong sense of hope and a healthy belief that, one way or another, everything will work out.

Growing older means you have to concede some defeats, namely, that unlike you were told as a child, some things will never be possible no matter how hard you work for them. But growing up means you take ownership for who you are and who you want to be. It means you make a choice - whether you want to keep finding excuses or put in the work to be the kind of person you want to be, the kind of person you know you have the potential to be.

As I was reflecting on the past year, I realised, that actually, for me 30s were a year of change and big decisions, but it just happened naturally, I didn’t rush or plan any of them because I had turned 30 and in all honesty everything that has happened, that I made happen during this past year, was only possible because of everything I went through the years leading up to this one. This might have been the biggest change, the self-awareness. I have always been an insightful person, but sometimes I was too close to be able to really see what was going on. I focused mostly on the things I hadn’t achieved yet, the times I had failed, the people I might have let down. If anything, age brought me a new perspective.

In  hindsight I realised that despite all the struggles and my darkest hours, or the lack of faith for better days, there was one thing I had never stop doing… trying! I’d refused to cave to my fears and it was by facing them, by constantly crossing the line, that I made change happen. All the experiences that I had, all the ups and downs, all the tears and sleepless nights, led me to right here, to a place where I felt ready and confident to make these decisions and embrace change.

Growing up doesn’t mean you’ll have a better understanding of life, what you do have is a better understanding of who you are and your needs. You start feeling more comfortable in your own skin, you let go of that urge to please others and you finally realise that it is okay not to fit in a box. You learn to identify your strengths and even to embrace your flaws.

You may worry if I say I quit pursuing happiness, however what I realised is that I’m not the kind of person who will ever be content. I will never be completely happy, I know that much about me, because I will always be searching for more… and that’s not necessarily a bad thing. There’s nothing wrong with working for more, as long as you don’t forget to appreciate what you have along the way. Or who…

Which is another benefit of this stage in your life, you know who your core people are. You realise how important it is to be surrounded by quality people, who keep you grounded and inspire you to be a better version of yourself. You are open to new friends and possibilities, but you know who will be there to tell the story when the curtain falls.

Some people do feel the pressure of turning 30 or being close to it. Some of this pressure comes from society but quite a big load of it is self-inflicted. But take it from me: turning 30 isn’t all that bad. Turning 30 doesn’t make life easier or worse, but I think if you go into it with the right mind set it may give you some clarity. If you stop listening to the voices that tell you what you should do or not do by this age and be bold enough to listen to your inner voice instead, you may find the courage to keep fighting for what you believe in.






  ::::::::::::::::::::::::::::


No dia do meu sexto aniversário, saltei da cama e corri para a cozinha! Abri a terceira gaveta a contar de cima, encontrei um balão e soprei com toda a minha força... não aconteceu nada. Frustrada, deixei o balão de lado, humedeci os meus lábios e soprei novamente... e mais uma vez não aconteceu nada! Foi provavelmente a primeira grande desilusão da minha vida. Durante meses tinha admirado como a minha prima era capaz de assobiar e encher balões sozinha. Ela era apenas 10 meses mais velha que eu, mas tinha-me garantido que era por isso que o conseguia fazer, pois estas eram coisas que “apenas as pessoas com 6 anos conseguiam fazer”.  Para grande desalento meu, contudo, apesar de ter ficado mais velha, nada havia mudado. Foi uma lição dura na altura, mas aprendi! E a mesma lição aplica-se independentemente da idade que fazemos. Nada muda do dia para a noite, nada muda simplesmente porque estamos mais velhos.

Tendemos a ver a nossa vida em termos de metas, e números redondos como 30, 40, etc, são definitivamente alguns dos momentos que são excessivamente valorizados. Fazer 30 anos pode ser assustador para algumas pessoas... se não estavam dispostas a admiti-lo antes, agora não há como escapar, são adultos! Mas o que é que isso significa? O que significa ser adulto? O que significa ter 30 anos? A verdade é que não significa nada... ou melhor, significa aquilo que nós quisermos! Temos uma escolha, somos nós quem define como queremos olhar para isso. Pode ser um ano como qualquer outro ou pode ser um momento de viragem, tudo depende de como o enfrentamos.

Li algures que “a única altura em que se vive plenamente é entre os 30 e os 60 anos [porque] os jovens são escravos dos sonhos [e] os velhos criados dos arrependimentos” e se olharmos para isso não necessariamente do ponto de vista de idade cronológica, mas do ponto de vista de estado de espírito, faz sentido.

Eu era escrava dos meus sonhos.

Enquanto criança vivia numa bolha. Era uma criança que estava sempre feliz, eu acordava feliz! Sonhava grande e acreditava em... bem, tudo. Depois a realidade atingiu-me de repente e durante muito tempo a luta foi difícil. Vivia desiludida comigo mesma por não conseguir atingir os ideais a que me propunha, nunca me sentia suficiente para os padrões que acreditava ter de atingir. Estava a perseguir um futuro inalcançável para qualquer ser humano.

Tudo o que veio depois da “bolha da infância” é uma batalha constante. As pessoas dizem-nos para darmos tempo ao tempo, que é apenas uma fase, mas isso é o pior conselho que alguma vez recebi! Durante anos esperei que a fase acabasse, durante anos esperei por melhores dias, durante anos esperei pelo momento em que finalmente sentiria que pertencia... até que um dia percebi que esta situação, que esta “fase”, durava há mais de 15 anos!

Inicialmente esta tomada de consciência foi deprimente, aterrorizadora até, mas pouco depois, surpreendentemente essa depressão foi substituída por alívio. Perceber que a vida nunca se iria tornar mais fácil e que o tempo jamais iria resolver tudo, trouxe-me um novo alento, trouxe uma sensação de liberdade e determinação – finalmente podia parar de esperar e simplesmente... viver. A mudança não acontece de um dia para o outro, está tudo nas pequenas coisas, nos desafios que te atreves a enfrentar, nas pequenas vitórias que ninguém vê. Nunca voltamos a ser quem éramos no passado, não posso negar que nesta idade a inocência da infância já foi completamente perdida, mas foi substituída por um novo sentido de realidade misturado com uma dose certa de esperança de que tudo vai correr bem.

Envelhecer implica aceitar algumas derrotas, nomeadamente, que ao contrário do que nos disseram em crianças, algumas coisas são inantigiveis, por mais que nos esforcemos para as atingir. Mas crescer implica significa assumir responsabilidade por quem somos e quem queremos ser. Implica tomar uma decisão – continuar à procura de desculpas ou dedicarmo-nos a ser a pessoa que queremos ser, a pessoa que temos o potencial para ser.

Estive a reflectir sobre o último ano e percebi que no meu caso os 30 foram efectivamente um ano de mudanças e grandes decisões, mas isso aconteceu naturalmente, não me precipitei simplesmente por ter atingido os 30 anos. Aliás, tudo o que aconteceu neste último ano, tudo o que fiz acontecer, só foi possível devido a todas as vivências que tive durante os anos anteriores. Talvez isso seja a maior mudança, esta consciência. Sempre fui uma pessoa reflexiva, mas às vezes faltava-me a distância necessária para perceber o que realmente se estava a passar. Focava-me demasiado no que ainda não tinha atingido, nas vezes que havia falhado, nas pessoas que podia ter desiludido. Se houve algo que a idade me trouxe foi uma nova perspectiva.

Em retrospectiva cheguei à conclusão que apesar de todas as lutas, da falta de fé, e mesmo nos meus momentos mais negros, houve uma coisa que nunca deixei de fazer... tentar! Sempre me recusei a ceder aos meus imensos medos e foi ao enfrentá-los e ao forçar-me a sair da zona de conforto constantemente que aos poucos a mudança aconteceu. Todas as experiências que tive, todos os altos e baixos, todas as lágrimas e as noites em branco, conduziram-me até aqui – um lugar onde me senti pronta e confiante para tomar as decisões que tomei este ano e abraçar a mudança.

Crescer não significa ter um melhor entendimento da vida, o que temos é um melhor entendimento de nós mesmos e das nossas necessidades. Passamos a sentir-nos mais confortáveis na nossa própria pele, abdicamos de tentar agradar a toda a gente, e acabamos por perceber que não faz mal sermos diferentes. Aprendemos a identificar os nossos pontos fortes e até a aceitar os nossos defeitos. Talvez se preocupem se vos disser que abdiquei de perseguir a felicidade, no entanto, o que percebi é que não sou o tipo de pessoa que irá alguma vez sentir-se totalmente satisfeita. Nunca serei completamente feliz, sei isso sobre mim, porque sei que quererei sempre mais, estarei sempre à procura de mais... e isso não é necessariamente mau. Não há nada de errado em querer sempre mais, desde que não nos esqueçamos de apreciar tudo o que já temos. Ou quem...

Que é outro benefício que esta idade nos traz, sabemos quem são as nossas pessoas, as nossas referências. Percebemos a importância de nos rodearmos de pessoas de qualidade, que nos mantêm focados e que nos inspiram a procurarmos sempre ser a melhor versão de nós mesmos. Estamos abertos a novas amizades, mas sabemos quem estará lá para contar a história quando o pano cair.

Algumas pessoas sentem a pressão de fazer 30 anos, ou de estar perto desse marco. Parte dessa pressão é atribuída pela sociedade, mas grande parte é autoinfligida. Mas acredita em mim: fazer 30 anos não é assim tão mau. Fazer 30 anos não torna a tua vida mais fácil nem mais complicada, quanto muito, se entrares nos 30 com a mentalidade certa poderá trazer-te alguma clarividência. Se parares de ouvir as vozes que dizem o que deves ou não fazer com esta idade e fores atrevido o suficiente para ouvires a tua voz interior poderás encontrar a coragem que precisas para continuares a lutar pelo que acreditas.

Tuesday, October 02, 2018

Dear teachers / Queridos professores


Nota: Versão portuguesa abaixo.


Teachers play a vital role in helping shape what we become, they are the reason we fall in love for school or completely hate it. A good teacher is emotionally involved, you can’t teach without passion, you can’t transfer knowledge without touching hearts. They are flawed, because they’re human, but overtime, even the ones we didn’t love we’ve learned to respect. They don’t always believe in the system, but they make the best with what they have, and they try not to let it affect the students.

Great teachers hold great power, they teach more than history, maths, sciences... they teach us how to live. They inspire us and empower us in infinite ways. The impact teachers have on their students goes way beyond the classroom, when they truly touch them their influence will never stop. The wise ones will show you were to look, but won’t tell you what to see, they won’t force you into a path, instead, laying down the options and letting you make your own choices.

These are the people who believe our worth, who fight and believe in us even when a lot of us have lost all faith. They open minds and teach the art of thinking… reflecting.

It’s hard to tell, at the time, all the ways they are changing us, how much their lessons will define our future choices, but they do change our lives, and they do it in more ways they even know.

The work of a teacher can’t just be evaluated at the end of the year, there’s so much more to it, so much more that only clicks later, so many lessons, we as students, will only realise later on in life. So it is an ungrateful job, because teachers don’t often have the opportunity to measure their impact, they don’t always realistically know how important they were.

Both as a student and as an educator I’ve had the luck to meet a few inspiring teachers, I can only aim to touch someone’s life the way they’ve touched mine. I didn’t have all great teachers, I wasn’t that lucky, probably nobody is, but these are the ones I remember. Sure we may recall bad teachers, and laugh with friends about their crazy behaviours or go over their strange habits, but that is it, they’re just a passing moment. The ones who truly matter are the ones we we carry with us all the time, the ones who weight in our decisions without us even noticing.

Just by sitting here and thinking about it I can remember the history teacher, the first person who support my decision to be a kindergarten teacher and didn’t think it was a waste of potential; the English who was though and didn’t let us slack and yet would slide chocolate bars in our desks on test days; the philosophy teacher, the first one to dare us to question everything and everyone, who would let us contest any topic as long as we used facts and logic arguments, the college teacher who taught me I didn’t have to have all the answers, that I didn’t have to be perfect to be good, the one who saw in me what I wasn’t sure I had, who made me believe…

To the ones who were my teachers and to those I met in my professional life and as a volunteer, to those who want to do more and care enough to think outside the box, to those who create opportunities for their students (opportunities the students may not even know they need), to those who everyday still inspire my tiny humans… to all of you dear teachers, THANK YOU!


:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Os professores têm um papel no rumo que tomamos, eles são muitas vezes a razão pela qual adoramos ou odiamos a escola. Um bom professor envolve-se emocionalmente, é impossível ensinar sem paixão, não se transfere conhecimentos sem tocar corações. Os professores têm defeitos, afinal de contas são humanos, mas com o tempo, muitas vezes, mesmo aqueles que não adorávamos aprendemos a respeitar. Eles nem sempre concordam com o sistema, mas tentam tirar o melhor de cada situação e não deixar que todas essas mudanças afectem os seus alunos.

Os grandes professores ensinam mais do que história, matemática, ciências... eles ensinam-nos a viver. Inspiram-nos de maneiras infinitas. O impacto que os professores têm junto dos seus alunos vai muito além da sala de aula, quando um professor chega realmente a um aluno, a sua influência será eterna. Os mais sábios dizem-te para onde olhar, mas nunca o que ver, não te tentam forçar por um caminho, tentam antes dar-te todas as opções para que sejas tu a fazer a escolha.

Estas são as pessoas que acreditam no nosso valor, que lutam e acreditam em nós mesmo quando a maior parte de nós já perdeu a fé. Abrem mentes e ensinam a arte de pensar... de reflectir.

É difícil perceber, no momento, todas as maneiras em que eles nos estão a influenciar, o quanto as suas lições vão definir as nossas escolhas futuras, mas a verdade é que eles mudam as nossas vidas, em maneiras que nem os próprios professores têm noção.

O trabalho do professor não pode ser avaliado no final do ano lectivo, é tão mais que isso, há tantas coisas que só fazem o “click” mais tarde, tantas lições que nós, enquanto alunos, só percebemos anos mais tarde. Por isso é um trabalho ingrato, porque os professores muitas vezes não têm oportunidade de medir o seu impacto, nem sempre realisticamente sabem o quanto foram importantes.

Tanto enquanto aluna como educadora tive a sorte de conhecer alguns professores verdadeiramente inspiradores, só desejo alguma vez poder tocar a vida de alguém da mesma forma que eles tocaram a minha. Não tive só professores fantásticos, não tive assim tanta sorte, provavelmente ninguém tem, mas esses são aqueles que me lembro. Claro que em momentos de nostalgia, partilhados com amigos, podemos relembrar os maus professores, rir dos seus comportamentos malucos ou hábitos estranhos, mas são momentos passageiros. Aqueles professores que realmente nos marcaram são os que carregamos connosco o tempo todo, os que pesam nas nossas decisões mesmo sem darmos por isso.

Só de estar aqui sentada a pensar no assunto consigo lembrar-me daquela professora de história, a primeira pessoa que apoiou a minha decisão de ser Educadora de Infância e não achou que seria um desperdício de potencial, a professora de inglês que era durona e não nos deixava relaxar mas que depois discretamente colocava chocolates kinder nas nossas mesas nos dias dos testes, a professora de filosofia que pela primeira vez nos desafiou a questionar tudo e todos, que nos deixava contestar qualquer tópico desde que utilizássemos argumentos válidos, a professora da faculdade que me ensinou que não temos de ter todas as respostas, que não temos de ser perfeitos para ser bons, aquela que viu em mim aquilo que eu não tinha a certeza que tinha, aquela que me fez acreditar...

Àqueles que foram meus professores e àqueles que conheci enquanto profissional e voluntária, àqueles que querem fazer mais e melhor e que ainda querem pensar fora da caixa, àqueles que criam oportunidades para os seus alunos (oportunidades que nem eles sabem precisar), àqueles que todos os dias inspiram os meus miúdos... a todos vocês, queridos professores, OBRIGADA!


Saturday, September 22, 2018

Choices/Escolhas


Nota: Versão portuguesa mais abaixo

People walk around like they have everything figured out, like they know what they’re doing, but in reality very little are that sure of where they’re headed… They may feel certain, but a lot of that certainty fades away when suddenly the option for a detour comes along.

Detours - the unpredictable choices that can come at the most unexpected times and have the power to change the route of a lifetime. Yes, life is made of choices, some well-planned and thought through and others that you make in the heat of the moment...

We’ve all heard it say “don’t make decisions when you are upset, sad, jealous or in love”, but aren’t exactly those the times when everyone wants to make them? When they want to change? It is easy to say give it time, think carefully, but people are  afraid every time they don’t make a decision they’re wasting a portion of their life living it in a way they don’t want to. People are afraid that by not making a choice they are choosing the wrong road.

People go through life on automatic mode – they go to work, they go home, they ran their errands, they eat, they sleep and then the next day they start all over again. And in the commotion of everyday, sometimes they forget to nurture their relationships. It doesn’t necessarily means they don’t care about each other, or that they don’t value the ones they love it is just easy to get sucked into the everyday craziness and take what they have for granted.

There are so many layers to each of us, more than we can even recognize, and as if that wasn’t enough we add some masks. There are very little people who simply are who they are, who are open books, at least full time. When trouble strikes and doubt hovers it is very hard not to go into hiding. Masks don’t exist necessarily because people want to deceive each other, a lot of times they’re the result of our human instinct. Sometimes people use them to protect themselves, sometimes they used them to protect the ones they love.

That’s the thing about choices and decisions, they rarely affect only the person making them. Everything we do and everything we are has the power to impact people around us, and that knowledge is what sometimes prevents people to take a leap.

Which brings us back to the masks. People put on their masks in order to be able to keep up with everyday life, to push forward on the planned route, to try to avoid the detours and honour their responsibilities, but while their hiding their needs from others (sometimes even from themselves) they break the connection, the one thing they truly need. Gaps start widening, people get more vulnerable and that’s when often they see themselves faced with temptation.

That’s when everything gets tricky, that’s when sometimes good people make the wrong call, that’s when people can get hurt or hurt someone unintentionally.

They say make the choices that make you happy. The challenge is knowing which ones truly will.


::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Escolhas


A olho nu todos parecem ter a sua vida planeada e saber o que estão a fazer, contudo, olhando mais de perto vejo que poucos têm verdadeiramente a certeza do caminho que seguem... Talvez pensem que sim, mas grande parte dessa certeza se dissipa quando se confrontam com um “desvio”.

“Desvios” – as escolhas improváveis que aparecem nos momentos menos esperados, e que têm o potencial de mudar o rumo de uma vida. A vida é feita de escolhas, algumas bem ponderadas e outras que se fazem no calor do momento...

Já todos ouvimos dizer que “não se deve tomar decisões quando se está zangado, triste, com ciúmes ou apaixonado”, mas não é exactamente nessas alturas que todos querem tomá-las? Não é nesses momentos que as pessoas querem mudar?

É fácil dizer para dar tempo ao tempo, pensar com calma, mas a verdade é que as pessoas têm medo que de cada vez que não fazem uma escolha estejam a desperdiçar uma porção da sua vida a vivê-la de forma que não querem. As pessoas têm medo que ao não tomarem uma decisão estejam a tomar a decisão errada.

Tanta gente vive em modo automático – vão para o trabalho, regressam a casa, fazem as suas tarefas, comem, dormem e no dia seguinte começam tudo de novo - e nesta agitação do quotidiano às vezes esquecem-se de nutrir as suas relações. Não significa necessariamente que não se preocupem com os outros, ou que não valorizem as pessoas que gostam, é apenas fácil ser sugado pelo ritmo acelerado do dia-a-dia e tomar como certo o que têm.

Existem tantas facetas numa só pessoa, mais do que às vezes conseguimos identificar, e como se isso não fosse suficiente, ainda há a tendência para usarmos máscaras. Muito poucas pessoas são exactamente aquilo que mostram, livros abertos, pelo menos o tempo todo. Quando os problemas atacam e as dúvidas começam a borbulhar torna-se difícil as pessoas não se esconderem. Estas máscaras não existem necessariamente porque as pessoas querem enganar os outros, muitas vezes resultam dos seus instintos humanos. Às vezes as pessoas usam-nas para se protegerem a si próprias, outras vezes para protegerem aqueles que amam.

Esse é o problema das escolhas e decisões, raramente afectam só a pessoa que as toma. Tudo o que fazemos, e tudo o que somos tem o potencial de impactar quem nos rodeia, e é essa consciência que por vezes impede as pessoas de arriscar.

O que nos traz de volta às máscaras. As pessoas escondem-se atrás de máscaras de forma a conseguirem continuar com as suas vidas, forçar-se a seguir o plano traçado, evitar os desvios e honrar as suas responsabilidades, mas enquanto escondem as suas necessidades (às vezes até de si mesmos), quebram as relações com os outros, perdem a intimidade, a única coisa que realmente precisavam. É nesse momentos que as brechas se começam  a alargar, que as pessoas se tornam mais vulneráveis e que muitas vezes são confrontadas com a tentação. É aqui que tudo se complica, que por vezes boas pessoas tomam decisões erradas, que uns se magoam e outros são inadvertidamente magoados.

Dizem que uma pessoa deve fazer as escolhas que a deixam feliz. O desafio é saber quais é que elas são.

Sunday, June 10, 2018

Day in and day out, we go through life so oblivious to what’s around us. We fight our battles, we get frustrated with our flaws, we fear the uncomfortable and sometimes we struggle just to get out of bed and put on foot in front of the other.  But we do it, some days may feel unbearable, but we learn to appreciate the small victories and the reality is that we keep moving forward. It’s not always pretty, but day after day, despite everything that is thrown at us, we find a way to survive.
That doesn’t come naturally though, and sometimes in the effort it takes to stay afloat we lose sense of the ones around us. We spend so much time hiding behind our masks, trying to find a balance for our own (in)sanity, that we often don’t realize everyone else is dealing with a similar struggle. We don’t always have enough time to spend with those we care about, but even when we do, how much of us are we really giving? 
It’s not necessarily selfishness, it’s being temporarily selfcentered, which in the right amounts is needed… but what happens then?
What happens to those around us when we take that needed time off?

Thursday, May 17, 2018

Magical powers / Poderes mágicos


Nota: Versão portuguesa mais abaixo


Ever since I was a little girl I dreamed about having magical powers. I didn’t long for fairy dust and enchanted beings what I yearned for was everyday magic. The kind of magic that comes from within and makes you believe you’re strong and brave enough to make a difference in someone’s life.

I used to lay in bed, pretending to be asleep, just imagining how life would be if I had that touch of magic –  to hug the pain away and always know what to say or what to do. I didn’t need fireworks or magic wands, all I wished for was a magical smile that would make people feel warm and safe, protected and never lonely.

The magical power I mostly wished for was to believe in myself enough to face my fears and help people remain calm in the face of despair, to share my strength and bring them peace with a simple hold of a hand.

The magic I wanted in me was the ability to bring people together and be available to help them on the spur of the moment, anytime, anywhere;  to  dig beyond the surface, to find hope and bring out the goodness other’s couldn’t.

I didn’t want the flashes or the attention, nor wasn’t it meant for big gestures, the kind of magic I wanted was the one nobody would notice, the kind that inspires people and makes them believe anything is possible, the kind that has the power to make people smile.


::::::::::::::::::::::


Poderes Mágicos


Desde pequenina sempre sonhei em ter poderes mágicos. Não sonhava com pós de perlimpimpim ou seres encantados, o que ambicionava era pela magia do dia-a-dia. Aquela magia que vem de dentro, que te faz acreditar que és forte e corajoso o suficiente para fazeres a diferença na vida de alguém.

Passava horas na cama, a fingir que estava a dormir, a imaginar como seria a vida se eu tivesse esse toque de magia – de afastar a dor com um abraço, de saber sempre o que dizer e o que fazer. Não precisava de fogos de artifício ou varinhas mágicas, tudo o que queria era ter um sorriso mágico que fizesse com que as pessoas se sentissem aconchegadas e seguras, protegidas e nunca sós.

O poder mágico que mais desejava era o de acreditar em mim mesma o suficiente para ultrapassar os meus medos e assim poder ajudar as pessoas a manterem-se calmas em situações de desespero, de partilhar a minha força e a esperança apenas segurando as suas mãos.

A magia que queria em mim era a capacidade de juntar as pessoas; de estar sempre disponível, a qualquer momento, em qualquer lugar; de ver além da superfície, de encontrar esperança e resgatar o lado bom que os outros não conseguiam ver.

Não queria os flashes nem a atenção, não estava destinada aos grandes gestos, o tipo de magia que queria era aquele que ninguém nota, aquele que inspira os outros e fá-los acreditar que tudo é possível, aquele que tem o poder de fazer as pessoas sorrir.